DOS DIÁLOGOS INFORMAIS - 8 e 9

8

— Você se lembra do salto plataforma?
— Lembro! Eu tive um...
— Eu não. Até fui à loja, experimentei, mas achei desconfortável.
— É, não era fácil andar com aquilo. Sabe do que você me fez lembrar?
— Do quê?
— Do vestido tubinho.
— Esse eu tive três.
— Quem não teve. Eu tinha um rosa. Não, não era bem rosa, acho que era salmão...
— Também tive um rosa, mas o meu era rosa mesmo. Quando eu comecei a namorar o Aluísio eu estava com ele. Por isso me lembro bem.
— Eu estava com um saco, quando comecei a namorar o Vitor. Lembra da moda saco?
— Lembro! O Aluísio adorava quando eu usava. A gente ia ao cinema e ele dizia que com aquele vestido era mais fácil passar a mão na minha coxa.
— Verdade, tinha isso! Nossa, como eram bons aqueles amassos no cinema...
— É, eu fingia que não deixava; isso deixava o Aluisio louco. Daí eu falava: “só um pouquinho, hein...” Que pouquinho nada...
— Eu sei como era. Comigo era parecido. E quando veio a minissaia então...
— Minissaia eu não usei. Nessa época eu já era noiva do Aluisio e ele não deixava usar. Dizia que as minhas coxas eram só dele.
— O Vitor não se incomodava que eu usasse. Dizia que o que era bonito tinha que ser mostrado e eu dizia que só me interessava mostrar pra ele, pra mais ninguém.
— E ele acreditava?
— Acreditava, tanto que a gente se casou.
— Então ele nunca soube do Zé Luis...?
— Nem do Zé Luis, nem do Márcio, nem do Otávio.
— O amor é cego mesmo. O Aluisio também nunca desconfiou dos meus casos. Mas em compensação eu não quero saber dos casos dele.
— Ele tem algum caso?
— Ah, deve ter. Um homem bonito como ele...
— O Vitor também deve ter, mas não fico especulando. Pra quê? Pra ficar arrumando briga? Desde que eu não saiba, tudo bem...
— Tá bom, a conversa tá boa, mas vamos malhar. Se esse corpinho não estiver em ordem, não seguro meu Aluisio, nem ninguém.
— Meia hora de esteira antes?
— Meia hora de esteira.
— Certo. Ainda quero fazer natação hoje.
— Bonito esse topzinho que você tá usando...
— Obrigada. Comprei ontem...




9

— Você gostou?
— Gostei! Gostei sim! E você?
— Gostei muito. Tava bom, né?
— Muito bom. Sentir esta carninha macia, úmida, molhadinha...
— Que bom que você gostou. Eu estava preocupada, você é tão exigente...
— Pois fique tranquila. Eu tinha certeza de que você não ia me decepcionar. Pode estar certa de que estou bem satisfeito.
— Que bom. A gente poderia repetir, se você quiser...
— Vou querer sim. E tenho certeza de que o prazer será o mesmo. Ainda há muito que experimentar...
— Vamos pedir a sobremesa?

— Vamos. Garçom!...

3 comentários :

  1. Adoro ler diálogos bem feitos. Parece que a gente está escutando a conversa dos outros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu adoro seus comentários. É um jeito de ter você mais perto.

      Excluir
    2. E eu adoro seus comentários. É um jeito de ter você mais perto.

      Excluir